segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Balada das mesas da esplanada

Apoiaste-te na mesa como um ser alado.
Metodicamente vais limpando as manchas açucaradas deixadas no tampo em movimentos suaves.
Sigo com o olhar a tua cintura fina enquanto executas as tuas tarefas.
Virás de longe? Em vagas de imigrantes fugindo a perseguições?
Encontraste na minha cidade paz e possibilidades de trabalhar, que não encontrarias onde nasceste.
Já estás noutra mesa, e calmamente mas segura de ti passas à seguinte.
Não vais responder às questões que eu gostaria de te colocar.
Tens um ar concentrado de quem está longe, perfeitamente alheada dos clientes da esplanada.
Finalmente pareces dar por concluidas as tuas tarefas.
E afastas-te, quase etérea, no teu voo de abelha a caminho da colmeia citadina, trazida do campo, longe dos pesticidas e das vespas asiáticas que por lá andam.

Sem comentários:

Publicar um comentário