segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Ascensão e queda da cidade de Mahagonny


Não é uma manifestação em Madrid. É uma das cenas finais da "Ascensão e queda da cidade de Mahagonny" pelo Teatro real de Madrid. Em plena desregulação da vida da comunidade, todos fazem manifestações contra todos


Ascensão e queda da cidade de Mahagonny, ópera (ou anti-ópera) de Kurt Weill e Bertold Brecht, escrita entre 1927 e 1929.
Alegoria do capitalismo, da lei da selva e das ideias e forças que determinam o comportamento das populações.
Jimmy McIntyre, lenhador do Alaska que descobrira a felicidade, é condenado à morte por um tribunal de criminosos. Outros criminosos governam a cidade...
Jenny, prostituta que amava McIntyre, canta:
Não deixem que vos consolem
não deixem que vos imponham dízimas nem trabalhos forçados
não se deixem dominar pelo medo
querem educar-vos como animais
............................................
os homens de Mahagonny refletiram e disseram "Não"
.............................................
não há paz nem felicidade na terra
não podemos contar com nada
Ó lua do Alabama
vamos ter de dizer adeus
nós temos necessidade de dólares, tu sabes

A ópera é subversiva, os governos não gostam dela.
Especialmente desta.
E perigosamente atual, quando todos se manifestam contra todos, e quando os governos salvam os bancos à custa de quem trabalha ou trabalhou.
Ver a versão de 2010 no teatro real de Madrid, escolhida no canal Mezzo como a ópera do ano:
http://youtu.be/8UhG7mtnmvE

Sem comentários:

Publicar um comentário