segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

A iniciativa do XXI governo Portugal 2030



http://www.portugal2030.pt/

Talvez para compensar a inércia dos anteriores governos e do próprio XXI governo até aqui no planeamento do desenvolvimento de infraestruturas de transporte e energia com fundos comunitáros (anteriormente desviados mais para a qualificação e pequenas e médias empresas), este governo lançou uma campanha para debate do que decidir até 2030.
Pessoalmente tenho sempre dificuldade em acreditar neste tipo de iniciativas. Seria demasiado bom que um governo compreendesse, ou pudesse dinamizar um debate alargado e informado, e desse atenção às sugestões que fosse recebendo.
Mas devemos dar o benefício da dúvida, apesar das provas de secretismo que até agora o XXI governo tem dado.
Por isso enviei o seguinte contributo, quatro sugestões de desenvolvimento dos projetos de infraestruturas  para submissão a fundos comunitários. São todos suscetíveis de financiamento comunitário, além de terem elevado impacto no PIB através dos multiplicadores macroeconómicos :

1 – água/dessalinizadores e vaporizadores
1.1   – dessalinização
Embora Portugal tenha boas reservas de água no subsolo e possibilidade de melhorar e expandir a sua rede de barragens, para combater a falta de água poderão instalar-se dessalinizadores na costa portuguesa para produção de água potável a partir da água do mar. Ver:
1.2   – vaporizadores
Para combater a seca, poderão instalar-se vaporizadores acoplados às instalações de dessalinização junto da costa. A injeção de vapor na atmosfera permitirá a formação de nuvens e consequente chuva

2         – interligações elétricas
Para otimizar a produção de energia elétrica a partir dos parques eólicos e fotovoltaicos e reduzir o preço do kWh para os cidadãos, desenvolver as interligações elétricas através de cabos submarinos de muito alta tensão DC não só para Marrocos como também através do golfo da Biscaia para França. Ver:

3         – expansão da rede do metro de Lisboa
A principal fundamentação da expansão da rede de metropolitano é o menor consumo de energia específica e a menor emissão de gases com efeito de estufa por passageiro.km quando comparado com o transporte individual ou rodoviário. Ter em atenção que a área metropolitana de Lisboa contribui para o PIB com perto de 40% e que o transporte para o local de trabalho é um fator de produção, pelo que por razões económicas é urgente reduzir o tráfego individual e rodoviário transferindo-o para o ferroviário.  Os traçados deverão ser escolhidos mediante comparação entre várias alternativas, com análises de custos benefícios e numa perspetiva integrada na área metropolitana e complementada por outros modos de transporte.  Ver:

4         – corredores internacionais ferroviários com bitola europeia
As orientações da UE, nomeadamente através dos regulamentos 1315 e 1316/2013 e da auditoria do Tribunal de Contas Europeu de 2016 ao transporte ferroviário de mercadorias são no sentido de até 2030 estarem a funcionar corredores internacionais de tráfego misto segundo os standards da interoperabilidade, incluindo a bitola UIC. Propõe-se portanto um debate urgente, alargado e informado de modo a uma rápida elaboração dos projetos para a construção faseada de novas linhas de bitola UIC.

Ver:




:


Sem comentários:

Enviar um comentário