segunda-feira, 18 de março de 2019

Golden age, bailado de Shostakovitch (1930)




https://www.youtube.com/watch?v=QT1xhrJMAAE

https://en.wikipedia.org/wiki/The_Golden_Age_(Shostakovich)

Canal Mezzo, numa tarde de fim de inverno. Exibe o bailado de Shostacovitch  Golden Age.
Não conhecia, a extensão da minha ignorancia é enorme, e provavelmente a dos programadores das emissoras ocidentais,
Digo ocidentais porque a tradição dos comentadores e autores de notas de programa nos concertos diz que Shostacovitch, ou pelo menos a sua criatividade, foi uma vítima da repressão estalinista. Obras como o bailado Golden Gate, a ópera Lady Macbeth de Mtsensk, o musical o Bairro do Cerejal são, quando apresentadas em Portugal (só me lembro de ter sido apresentada a Lady Macbeth), devidamente acompanhadas de notas esclarecedoras de que foram proibidas pelos censores estalinistas, que continham críticas que Estaline não suportava - ver:
https://fcsseratostenes.blogspot.com/2011/09/o-bairro-do-cerejal.html

A crítica musical ocidental prefere assim a trica política (evidentemente que Estaline foi um ditador e um tirano que não respeitou a dignidade humana) à discussão da estética de Shostacovitch, que foi um estraordinário compositor. A sua oratória da floresta (The song of the forests) que podia ser utilizada pelos ecologistas, é considerada como um subserviente elogio ao ditador para não ser perseguido (como considerar os elogios de Camões a D.Sebastião, a quem chamou maravilha fatal da sua idade?)  - ver https://fcsseratostenes.blogspot.com/search?q=orat%C3%B3ria+da+florestas

O Golden Age, conforme diz a wikipedia, foi em 1930 uma tentativa do sincero, crente na luta pela justiça social e ingénuo Shostacovitch de irmanar as estéticas russa e ocidental. Imaginou uma viagem duma equipa soviética de futebol ao ocidente, conflitos com representantes do capitalismo e o triunfo da solidariedade dos trabalhadores ocidentais com a equipa soviética. Um dos atos contem a orquestração do tema Tea for Two dum musical americano contemporaneo.
Parece que Estaline não gostou e só em 1982 o bailado foi reposto, mas com outro argumento, um conflito da classe trabalhadora , tambem nos anos 20, com mafiosos oligárquicos (que afinal viriam a triunfar, mas isso já não vem na versão do coreógrafo Gregorovitch que o canal Mezzo transmitiu).

É uma pena sempre que se fala em compositores do período soviético vir a superioridade moral ocidental ocultar o que interessa, a estética e a mensagem de justiça social das obras, quer Estaline tenha gostado ou não. Há um paralelo interessante com a economia e a industria. Enquanto no ocidente se vociferava contra a experiencia soviética, de que aliás a intervenção ocidental na guerra civil dos anos 20 é um bom exemplo, ainda antes de Estaline, alguns industriais, como Henry Ford, achavam que não, que na continuação de David Ricardo o que interessava era o intercambio comercial (na verdade, as sanções comerciais afetam as populações, deviam pensar nisso, quem as decreta), e assim nasceu a fábrica dos GAZ-A (equivalente ao Ford model A) - ver
http://autoetecnica.band.uol.com.br/urss-10-carros-sovieticos-copiados-dos-ocidentais/

Mas os politicos acham que não, que as trocas comerciais não servem a paz. Preferem a guerra, acham que estimula  mais a economia.
Pobres mentes mesquinhas.




Sem comentários:

Publicar um comentário