terça-feira, 23 de dezembro de 2014

Edifício triste



Parece agora triste e cinzento, abandonado, à venda, como o prédio do lado, cada vez mais distantes do brilho, um e outro, da  alta burguesia, um, e da discricionaridade executiva dos hierarcas do metropolitano de Lisboa, o outro. 
Não serei eu a atirar nenhuma pedra por esta venda, que já não concordei com a compra do prédio, quando a empresa disfrutava do rating de não sei quantos AA. Mas estas coisas são subjetivas, embora quantificáveis e integráveis nas vicissitudes e flutuações do mercado de arrendamento.



                                   O edificio visto atrás das grades do palácio Galveias

Sem comentários:

Publicar um comentário