quinta-feira, 18 de julho de 2019

Ayanna, Ilhan, Alexandria e Rashida

Ayann, nascida em Chicago, Ilhan, refugiada da Somália nos USA quando tinha 8 anos, Alexandria, nascida no Bronx, Rashida, nascida em Detroit.
O que escreveu Ema Lazarus e está gravado na estátua da Liberdade:

"Dêem-me as vossas multidões pobres, cansadas e desejosas de respirar em liberdade, refugo desgraçado saido das vossas praias. Enviem-nos esses, os sem teto, empurrem-nos para mim, eu erguerei a minha lanterna a indicar a porta dourada"

é o oposto do que o pobre presidente dos USA disse (voltem para a vossa terra !?).

Ema descendia de judeus portugueses fugidos do Recife à Inquisição.
Infelizmente há eleitores que pensam como ele. A espécie humana ainda não se libertou daquele tique do lobo de La Fontaine para o cordeiro: tenho de ter a liberdade de te poder comer.

Mas vai-se tentando. As 4 estão a tentar. E são bonitas.

sexta-feira, 12 de julho de 2019

Debate de 5 de julho de 2019 na AR sobre a expansão do metropolitano de Lisboa






debate na AR em 5 de julho de 2019 de projetos resolução e petição sobre a expansão do metro:

O debate de 5 de julho de 20119 na Assembleia da Republica e subsequente aprovação dos projetos de resolução e petição para suspensão do processo da linha circular e início de um processo de revisão do plano de expansão do metropolitano constituiu uma feliz convergencia entre a democracia representativa e a democracia participativa, entre as posições dos deputados e as propostas da sociedade civil.
Porém, a aprovação de projetos de resolução na Assembleia da Republica não tem carater vinculativo. Isto é, não obriga o governo. Um exemplo é o das linhas ferroviárias do Alentejo. Um projeto de resolução aprovado pela AR em 2017 ficou por cumprir. Não foram eletrificadas e beneficiadas as ligações Beja-Casa Branca (onde se faz a ligação à linha de Évora), Beja-Aeroporto de Beja e Beja-Funcheira.
Nestas condições, apesar dos projetos de resolução definirem claramente a suspensão do processo da linha circular (aguardam-se as entregas de propostas para os toscos entre Rato e Cais do Sodré), e considerando a intervenção do deputado Ricardo Bexiga do PS (ver momento 01.05), expondo a posição oficial do seu partido e a do governo, provavelmente os projetos de resolução ficarão a abeberar na 6ª comissão aonde baixaram.
Até certo ponto houve uma desautorização do senhor ministro do Ambiente e do seu secretário de Estado da Mobilidade, estrénuos defensores da linha circular, mandando os deputados do PS absterem-se nas votações, enquanto 12 deputados do PS, de forma livre, votaram favoravelmente. Poderá não haver consequências, mas do ponto de vista democrático foi bonito.
Caberá agora aos movimentos cívicos por trás dos projetos de resolução e da petição pressionar a 6ª comissão para despachar o seu relatório, sugerindo que ponham a tónica na análise técnica do projeto da linha circular, destacando os seus erros técnicos, justificativos da suspensão do processo (menor taxa de fiabilidade, maior dificuldade de regulação da linha, contraindicações técnicas da intervenção nos viadutos do Campo Grande,  custos elevados de construção devido às dificuldades construtivas na colina da Estrela e na av.24 de julho).
Da parte do governo, apesar da solidariedade manifestada pelo deputado Ricardo Bexiga com os peticionários, não parece haver intenção de suspender o processo da linha circular, mandando o metropolitano adjudicar até ao fim do ano os toscos Rato-Cais do Sodré. Ficou bem patente o endosso da condução dos processos para a AML, o que configura uma manobra de diversão e de descarte de responsabilidades. Mais uma vez o governo pode inocentemente dizer que planeou e decidiu soluções de transportes e cumpriu procedimentos ambientais, mas a verdade é que esse planeamento e decisões não satisfizeram os requisitos das consultas públicas.  Existe neste momento em Portugal um grande défice no estudo, debate e decisão sobre infraestruturas de transporte. O que se faz normalmente é o desenvolvimento de soluções em gabinetes confidenciais e depois sessões de apresentação das soluções sem um debate alargado e sem participação cívica, enquanto as empresas públicas ficaram desfalcadas dos seus departamentos de estudos e projetos.
Ricardo Bexiga exagerou ao dizer que o governo do seu partido foi pioneiro ao desenvolver o plano de um sistema integrado de transportes na área metropolitana de Lisboa, terá sido excesso de autoconfiança, e citou os dois empreendimentos de transportes previstos no PNI2030 para a área metropolitana de Lisboa, como se pode ver em:

o governo estimou para o período de 2021-2030 :  670 M€ para sistemas BRT ou metro bus, incluindo a A5, e 445 M€ para ampliação da rede de metropolitano.
Ricardo Bexiga afirmou que será a Área Metropolitana a decidir e que não será o governo a decidir. É uma situação preocupante, uma vez que a AML é dominada pela câmara de Lisboa e esta já deu provas suficientes de desprezo pela opinião dos munícipes, de preferência por soluções desenvolvidas em secretismo e dificuldade em reconhecer erros ou aceitar opiniões contrárias, para além de se manter o acordo Medina-Robles que amarra o BE ao projeto da linha circular. Não só no caso dos transportes, mas também na urbanização, desde a indefinição em Alcântara à da colina de Santana e à ameaça dos grandes investimentos imobiliários. Como afirmaram os deputados da oposição, este “andarilho” dos transportes é conduzido pelo presidente da CML”
É pena, em 2014 a CML organizou uma série de seminários abertos à participação ativa dos munícipes. Perdeu-se essa experiencia, numa altura em que a vereação da mobilidade da CML vai dando entrevistas sobre a aplicação do BRT (bus rapid transit) e do metro bus aos referidos investimentos citados no PNI2030 em zonas da cidade de Lisboa não servidas pelo metro e em eixos de penetração na cidade. Possivelmente ignoram as decisões das cidades de Caen e de Nancy, em França, que resolveram substituir os seus sistemas BRT por LRT (elétricos rápidos). Será talvez inútil apresentar o argumento técnico: transportes de massa em BRT poderão justificar-se em países com produção de petróleo, como Brasil ou, Colombia, mas em países importadores como Portugal não. Porque o consumo específico de energia é superior no BRT devido ao atrito do pneu com o asfalto, por sua vez superior ao atrito da roda de ferro com o carril (550 Wh/passageiro-km de diferencial entre o BRT e o LRT; até mesmo se compararmos com o metrobus alimentado por catenária ou por baterias, o diferencial é da ordem de 60 Wh/passageiro-km; números para a energia primária consumida). Não tenho grande esperança que os especialistas da CML aceitem este argumento, as disciplinas eletrotécnicas têm escasseado nos currículos universitários das especialidades de engenharia civil, mais afins das infraestruturas dos transportes.
Ricardo Bexiga, não sendo especialista de transportes, terá ouvido destes especialistas que o metro não era solução suburbana por ter frequências elevadas durante todo o dia (não necessariamente, pode ajustar os intervalos em função da procura, sendo certo que, de acordo com a lei de Say, a procura é estimulada pela oferta).
Fica ainda outra preocupação. É que investimentos vultosos como estes requerem a comparticipação dos fundos comunitários. Mas estes só vêm se forem antes apresentadas candidaturas com projetos credíveis, não só do ponto de vista da engenharia construtiva e de operação e manutenção das linhas propostas, como também da fundamentação por análise de custos benefícios. E sabe-se como já dito, que as empresas públicas estão desfalcadas em termos de departamentos de estudos e projetos.
Em resumo, é de saudar o comportamento dos deputados que aprovaram os projetos de resolução (pena o PCP ter “chumbado” o projeto do PAN, provavelmente porque ele falava também na necessidade de expansão para o município de Sintra; mas justifica-se, tratar-se-ia de prolongar da Reboleira para o Hospital Fernando da Fonseca, com parque dissuasor do IC19, servindo Sintra, embora no município da Amadora), nomeadamente os 12 deputados do PS que não se abstiveram, mas as perspetivas não são ainda tranquilizantes.
Mas pode ser que eu esteja enganado e que os grupos cívicos empenhados consigam progressos.

PS - Antes do debate, ingenuamente, pensei que o PS iria mandar alguém defender a linha circular. Quanto mais não fosse para não desautorizar o sr ministro do Ambiente, o seu secretário de Estado da Mobilidade e o sr presidente da CML e  AML.  Informei-me um pouco mais sobre a questão da Circle Line de Londres, que parece ter sido o fator desencadeante desta obsessão, apesar de ter sido convertida em linha em laço e de ser conhecida a vontade do metro de Londres de separar as linhas que partilham a Circle Line, o que não fazem por razóes orçamentais, numa altura em que investem na grande linha transversal. Mas como se viu a estratégia de diversão do PS foi brilhante, para poder continuar com o seu plano. Junto algumas figuras sobre as caraterísticas das linhas circulares (atenção que elas têm vantagens, mas não nas circunstancias desta proposta do PS; uma linha circular em Lisboa teria de ser externa com travessia futura do Tejo em dois pontos e serviço da margem sul; não há dinheiro para a obra mas para o projeto podia haver) e o sitio do metro de Londres onde pode ver em tempo real o estado de funcionamento da rede.


















quinta-feira, 11 de julho de 2019

10 de julho de 2019 - o estado da nação no Parlamento






Apenas 3 recados para alguns participantes, que certamente não serão recebidos e por maioria de razão atendidos, provavelmente porque o conceito de democracia participativa dos destinatários e meu não coincidem..

1 - Ao sr primeiro ministro: 

por favor tente pronunciar corretamente, sílaba a sílaba, em nome das nossas crianças nas aulas de português no ensino obrigatório. Tente dar o exemplo:

com-pe-ti-ti-vi-da-de   , de competitivo, competir

em-pre-en-de-do-ris-mo     , de empreendedor, empreender

Obrigado

2 -  ao sr deputado Rocha Andrade

sem menosprezar a sua competencia e rigor técnico na sua especialidade, peço desculpa por citar um cardeal norte americano: "quando estou no campo e vejo um bando de aves que têm o aspeto de patos, voam como os patos, têm uma formação de voo como a dos patos, e fazem o percurso que os patos constumam fazer nesta altura do ano, sei que estou a ver um bando de patos".
Da mesma forma, quando eu escrevi à administração do metropolitano em agosto de 2016 (claro que não me responderam, os conceitos de democracia participativa não coincidem)  que, a continuar-se assim (sem que o ministério das finanças autorizasse a encomenda de rodados novos para substituir os desgastados, apesar das verbas estarem orçamentadas, mas requerendo autorização expressa, isto é, cativadas), com o tempo a passar e cada vez mais unidades triplas (comboios) a terem de encostar porque rodados desgastados podem provocar descarrilamentos, até se terem atingido 30 unidades triplas paradas num universo de 111 (tudo o que seja mais de 10% de imobilização é má gestão), isso para o metropolitano é corte na manutenção, cativação ou corte. São os resultados que interessam, isto é, o produto, neste caso comboios-km, que não puderam produzir-se, graças aos cortes ou cativações. 
Preferia também que tivesse referido, na sua "boutade" sobre a dependencia de não compreender uma coisa, a paternidade da frase original, um ex-candidato a governador da California que perdera as eleições.

3 - ao sr ministro Centeno

protestou o sr ministro vestindo a pele da vítima da ingratidão daqueles que beneficiou, que foi o maior reforço na saúde. Maior reforço significa maior despesa, mas ao mesmo tempo vemos os tempos de espera a aumentar. O que significa que a produtividade baixou (produto/meios), e muito, se o reforço foi grande. Estranho ter ido na sua argumentação por este caminho, sabendo-se como é importante para os economistas o mantra da produtividade. Não será culpa sua, não sei, apesar do sr ministro ter contribuido com uma frase sua para a antologia negativa: não fizemos cativações no serviço nacional de saúde, só na parte administrativa do ministério da saúde. Será a minha deformação profissional que insiste, são os resultados que interessam, não os formalismos e a classificação das rubricas. E o que se verificou foram as tais 30 unidades triplas encostadas por cativação. Mas também pragmaticamente, o seu governo percebeu que há muitos passageiros no metropolitano, isto é, mais votos potenciais do que os passageiros da CP regionais (já sei, foram encomendadas 22 unidades e alugadas umas quantas ao parque excedentário da RENFE.) , e lá veio a autorização para encomendar os rodados. Agora, só as automotoras em revisão normal estão imobilizadas, no metro (já sei também, o sr ministro das infraestuturas "arrancou-lhe" 45 milhões para recuperação do material da CP encostado há uns anos).




Um caso de velhice ou de inverno demográfico em vários episódios

1º episódio - Um editorial e uma notícia no Público sobre o futuro envelhecido que já nos bate à porta


O futuro envelhecido que já nos bate à porta
O Banco de Portugal faz-nos perceber que estamos em risco de derrapar num modelo que está à beira do esgotamento
13 de Junho de 2019, 6:27
Partilhar notícia

Há ideias que se instalam pela sua força. Ou pela sua lucidez. Como uma que João Miguel Tavares deixou no seu discurso do 10 de Junho, apelando para a necessidade de haver uma visão de futuro capaz de convocar as energias e as esperanças das pessoas. Esta quarta-feira, Rui Tavares foi ao encontro desse repto e deu como resposta a necessidade de se construir “uma sociedade do conhecimento altamente desenvolvida, baseada numa população muito qualificada e numa economia bastante mais especializada, que não deixe ninguém para trás”. É impossível não concordar com esta visão. Ou com esta urgência. Principalmente agora que começamos a perceber que estamos em risco de derrapar num modelo que dá sinais de esgotamento.

O relatório do Banco de Portugal que nos avisa para os custos que o envelhecimento já está a ter na economia é, nesse particular, dramático. Porque nos mostra uma consequência e uma causa da ausência de um destino mobilizador, desde que, pelo menos, Portugal aderiu à moeda única. Pelo meio tivemos, é certo, o “choque de gestão” de Durão Barroso e o “choque tecnológico” de Sócrates, mas se o segundo foi capaz de criar lastro para uma clara melhoria no sistema científico e tecnológico do país, não foi suficiente para mudar o cenário de um Inverno demográfico, nem para alterar a base de uma economia que continua a perder a batalha da produtividade.
LER MAIS
Todos os indicadores o provam e o BdP vem uma vez mais pôr o dedo na ferida: sem transformações profundas no modelo de criação de riqueza, estaremos condenados a envelhecer empobrecendo. Se é preciso inventar uma causa colectiva na qual, como pensou e disse João Miguel Tavares, possamos acreditar, é essa necessidade de equilibrar um modelo de país que acredita muito na redistribuição e muito pouco na criação de riqueza. Ou, por outras palavras, nessa urgência de reinventar o papel do Estado e libertar as energias criativas dos cidadãos.
geração mais qualificada de sempre, combinada com os exemplos positivos que o Presidente da República não se cansa de dar para aumentar a auto-estima do país, precisam afinal de uma nova narrativa política que, sem a matar, coloque numa nova dimensão a responsabilidade do Estado. Depois de uma década de crise profunda e de uma ligeira recuperação, era bom que o próximo ciclo político fosse marcado por uma nova ambição e por uma nova crença no futuro. Se alguém as assumir sem demagogias nem megalomanias, deve merecer o nosso reconhecimento.



2º episódio - uma carta so director, comentando o editorial e a noticia do conceituado BP


Depois de ler um editorial e um artigo no PÚBLICO de 13 de Junho, eu, velho, me confesso causador da travagem do crescimento da economia (primeira página do jornal) , limitador da economia e dificultador da contratação de pessoas activas pelas empresas (pág. 2), e causador da ausência de um destino mobilizador (pág. 4).
Talvez por causa dos meus 74 anos tenha interpretado mal as palavras publicadas, para mais originadas numa entidade que segue acriticamente o art. 3.º n.º 3 do TFUE que mistura estabilidade de preços e pleno emprego, impossível com salários dignos numa economia como a nossa. Mas também por causa dessa idade, e porque usufruo de uma reforma milionária de 3000 euros depois de 39 anos de descontos, e porque nós morremos todos os anos quase 110.000, quando apenas nasceram quase 90.000, evoco os piores raciocínios do MRPP. Mas é preciso que nasçam mais, quando a tecnologia permite reduzir o número de horas de trabalho e aumentar a produtividade, embora os economistas prefiram calcular a produtividade em preço de venda (ainda por cima competindo com preços de dumping) por quantidade de pessoas, em vez de quantidades de produto por pessoa.
Desgosta-me que falem assim, culpando os velhos, quando eles ainda podem ser úteis, se não travarem a sociedade civil nem “os deixarem para trás”, porque reaviva o desejo de desistir de Stefan Zweig, ao deixar para outros, jovens, a tarefa de combater as ideias discriminatórias.



3º episódio - un email doutro leitor que não concordou com a minha carta



Os argumentos que evocou na carta que tão rapidamente dirigiu ao Director do Público no passado dia 15 de Junho seriam completamente válidos… Caso os mais velhos não estivessem mesmo a retirar aos mais jovens todas as oportunidades de singrar na vida.

A idade média dos trabalhadores da função pública começa já a aproximar-se dos 50 anos. Por mais que lhe custe a aceitar, um efectivo mais vetusto é necessariamente um efectivo com menos ideias, com menor dinamismo e com menor produtividade, o que acaba por conduzir à travagem do crescimento da economia. Os gastos com o pessoal têm vindo a subir nos últimos anos, numa primeira fase por via da reposição dos cortes introduzidos em 2011 e numa segunda fase por via do descongelamento das carreiras. Por mais que lhe custe a aceitar, os benefícios sucessivamente atribuídos aos trabalhadores da função pública estão a dificultar (ou mesmo a impedir) a contratação de novos funcionários (que são simultaneamente os mais jovens).

Por último, não se coibindo mesmo de referir tão ironicamente que usufrui de uma “reforma milionária de 3000 euros depois de 39 anos de descontos”, infere-se que tem ainda o descaramento de considerar a sua pensão pequena. Pois bem, permita-me que classifique a sua reforma de dourada! Afinal de contas, graças à desregulação que os mais velhos tão bem souberam introduzir no mercado de trabalho, os mais jovens começam hoje a descontar muito mais tarde… Apesar de nem sequer saberem se um dia haverá dinheiro para lhes pagar a sua reforma!


Tanto quanto me apercebi, nem o editorial nem o artigo que tanto desconforto lhe causaram sugeriram que os mais velhos já não são úteis. No entanto, os mais velhos não se devem mostrar tão egocêntricos e tão egoístas ao ponto de considerar que só eles podem “combater as ideias discriminatórias” ou resolver os (muitos) problemas do nosso país… Caso contrário, ao reduzir o debate aos “velhos” e aos “jovens”, estarão apenas a agudizar um conflito geracional. Afinal de contas, o que seria dos mais velhos caso os mais jovens considerassem que não existe qualquer benefício em descontar para a Segurança Social?

Atentamente,



4º episódio -  resposta ao email de quem discordou



Antes de tentar explicar-me melhor do que na carta ao diretor publicada, uma pequena observação cronológica: o Público que acolheu com destaque a acusação do BP de que os velhos estavam a ameaçar a economia é de 13 de julho, enviei a carta a 14 e foi publicada  a 15. De facto foi rápida a minha reação à acusação, o que não é costume em mim, como pode verificar pelo atraso da resposta à sua mensagem, mas não é rápida em termos jornalísticos.
A tradição chinesa tem uma pequena história sobre uma criança que, imprudentemente na rua, ia ser atropelada por uma carroça. Alguém adivinhou o desastre e correndo, conseguiu salvar a criança da morte.  O que dizia a tradição, provavelmente por imaginar que alguma divindade cruel teria decretado a morte da criança e foi contrariada, é que o salvador ficava responsável pela criança para o resto da vida. Pondo de parte critérios morais com a pretensão de detetar superioridades civilizacionais, e guardando as devidas distancias, vamos imaginar que a economia, em sentido lato, era uma criança imprudente que ao longo de muitos sobressaltos corria o risco de implosão. Mas vieram uns sábios iluminados (ironizo, como já tinha reparado na carta ao diretor que é meu hábito; a ironia é a arma que resta a quem não conseguiu evitar a injustiça), altamente preparados, que constituíram nos anos 60-70 do século XX a escola de Chicago, que resumiram no consenso de Washington.  Eram os célebres Haieck, Milton Friedman e seus pares. Os economistas anteriores, até mesmo Keynes, que de marxista nada tinha, foram postergados. Sobrevieram Reagan, Thatcher e o petróleo barato, e a bíblia dos de Chicago, o mercado a funcionar sem regulação e com um Estado mínimo, autorregular-se-á e trará o crescimento económico, foi-se impondo pelo planeta fora, com a primeira experiencia na intervenção dos USA no Chile que ficou para Pinochet.  Alguns dogmas dessa bíblia estão ainda no tratado de funcionamento da União Europeia, que, diga-se em seu abono, também não proíbe que os Estados membros tenham as suas empresas (especialmente em atividade não lucrativas, ou por outras palavras, que não interessam às empresas privadas).  Isto é, a escola de Chicago teve sucesso, e terá sido a principal revolução do século XX, talvez também porque dispôs de uma tecnologia que não esteve ao alcance da revolução dos “10 dias que abalaram o mundo”. Mas, como diria a tradição chinesa, ficou também responsável por tudo o que de mal possa acontecer. É claro que para estudar esta revolução de uma forma científica teremos de considerar os vários tipos de análise, simplista se considerarmos apenas alguns fatores determinantes, ou complexa se quisermos investigar todos esses fatores.  Uma análise primária, que poderá concluir que se um facto ocorre depois de outro, é porque o primeiro é causa e o segundo efeito. Ou uma análise secundária, que desconfia que isso pode ser uma coincidência, ou uma correlação estatística, e não causa e efeito que é preciso descortinar depois de testar várias hipóteses.
Serve esta introdução para colocar exatamente essa hipótese.  Que a dificuldade de emprego vir a seguir ao aumento da taxa de envelhecimento, é uma coincidência ou uma correlação, não são os velhos que impedem os jovens de singrar (sic !?). É que dizer que os velhos impedem os jovens de singrar é uma acusação. E como tal compete ao acusador provar, com factos, com números, com demonstração de causa e efeito.
Consultemos a bibliografia sobre a criação e distribuição da riqueza- Thomas Piketty e Gabriel Zucman desmontam as teses dos de Chicago e demonstram as causas das desigualdades. Raquel Varela pacientemente nos seus livros (“A segurança social é sustentável”, ed.Bertrand) demonstra a sustentabilidade da segurança social, por mais que os velhos insistam em morrer tarde. Sibila Marques num interessantíssimo estudo da fundação Francisco Manuel dos Santos, “Discriminação da terceira idade” (vende-se nos supermercados pingo doce) diz que é possível contrariar as previsões pessimistas, mudar preconceitos e promover uma terceira idade ativa, com reformas mais tarde e depois com participação ativa nas funções da sociedade civil, assim os ideólogos deixem a sociedade civil funcionar, sem estar espartilhada pelo preconceito e pelos partidos políticos.
Tem razão, ninguém disse que os velhos não podem ser úteis, o que foi dito, e não demonstrado, por falta de consistência nas teorias do BCE e da EU, é que os velhos limitam a economia e dificultam a contratação de pessoas ativas pelas empresas. Preso por ter cão e preso por não ter. Trabalharão os velhos até mais tarde para as receitas da segurança social, mas estão a roubar empregos e travar a economia, ou são as empresas que não querem investir em tecnologias promotoras de maior produtividade para os jovens a contratar  e mais “amigáveis” para os mais velhos? Estes, por terem as limitações evidentes que menciona (nem eu preciso que me recordem a decadência, como jogador de xadrez já há muito que a assimilei, mas continuo a ter o direito de jogar xadrez), teriam menos horas de trabalho semanal com a consequente redução de salário, ou uma mistura de remuneração pelas horas trabalhadas e uma fração do cálculo da reforma.
 É para isso que servem as tecnologias, para aumentar a produtividade, quociente entre quantidade de produto e meios necessários. Dirá que a dificuldade está em contratar pessoas. Pois a hipótese é simples: o objetivo definido no tratado da união é o de manter a estabilidade dos preços. Por isso também o BCE insiste em baixar as taxas de juro (para criar um ambiente de subida da inflação). E contudo, a inflação não atinge os 2% do objetivo. Males ou beneficios da globalização. E seria simples subir os preços, bastava aumentar os salários e aumentar o emprego , pelo menos público. Os preços subiriam. O défice de 3% poderia ser ultrapassado, mas as pessoas estariam melhor e os jovens já náo acusariam os velhos de os impedir de singrar.
Porque insistem os economistas do BCE e do FMI na estabilidade dos preços? Possivelmente, é uma hipótese, porque não estudaram Física, e portanto ignoram que estabilidade é fisicamente o mesmo que estacionaridade. Pode ser até um movimento alternativo, sinusoidal, mas que por ser estacionário, por os seus componentes variarem a uma taxa pequena e essa sim, estável, náo serão gerados fenómenos de ressonância ou amplificação de efeitos nefastos. Subida dos limites do défice e progressiva anulação das dívidas por incorporação nas titularidades das empresas compradoras, públicas ou privadas, sem esperar  romanticamente ou com fé quase religiosa que “os mercados” desregulados, como a lei da selva, eliminem os mais fracos, e afrontando os preços de “dumping”, os off-shores, as portas giratórias regulador-regulados, as isenções de impostos, os entraves à concorrência. Precisamos de interpretar melhor aquele artigo do tratado da união.
Quanto a mim, nada a objetar que me vão reduzindo a pensão. Antigamente isso acontecia porque havia inflação. Lá está, aumentando salários (e receita para a segurança social) e aumentado o emprego, a inflação subiria, mas os de Chicago na Europa não deixam. Tenho a consciência tranquila que ajudei, quando eles precisaram, os meus filhos, e espero não precisar deles no inverno que se avizinha. Mas necessito de me explicar melhor na questão da minha reforma. Hesitei de facto quando escrevi “milionária”, porque 3000 euros quando comparada com 100 ou 200 (especialmente sem considerar os 35% de descontos mensais durante a vida ativa) é obsceno, mas pensei que referindo o MRPP esclareceria. Parece que não, pese embora ser evidente que o que é obsceno é haver salários de 500 euros e pensões de 100. Como disse Olof Palm a Otelo em 1975, quando este lhe disse que tinha acabado com os ricos em Portugal, “Aqui na Suécia preferimos ter acabado com os pobres”.  Isto é, o objetivo (não o do MRPP que se entretinha nos anos 70 a combater tudo o que parecesse, no seu julgamento específico, enfeudado aos “revisionistas pró-soviéticos”) deve ser o de fechar o leque remuneratório de baixo para cima, nivelar por cima e não pela miséria.  No campo das desigualdades, gostaria de citar os trabalhos de Anthony Atkinson e Richard Wilkinson (Desigualdade, o que pode ser feito? Ed. Bertrand). Mas como dizem Sibila Marques e Raquel Varela, haverá que eliminar preconceitos. Isto é, não posso ter o descaramento de considerar a pensão pequena porque de facto não disse isso (até aceito que o que recebo agora seja 80% do que recebia nos últimos 2 anos, percentagem que poderá ser considerada elevada por ser de cálculo mais indefinido), terá interpretado mal por eu me ter explicado mal, citando o MRPP que sem dúvida consideraria a minha pensão exagerada, apesar de calculada com base na lei a todos aplicável em função dos descontos e eu um velho responsável por travar a economia (ao que eu poderia dizer-lhes, como Sofia de Melo Breyner no sequestro do Parlamento de novembro de 1975, “Quem, eu?”).
Neste dominio ainda, é importante referir que soluções existem, e voltando à Suécia e aos nórdicos, é prática corrente a existência de fundos de pensões geridos por profissionais que vão recolhendo as poupanças dos ativos e investindo de modo a garantir um complemento quando da chegada da reforma. A solução funciona e está prevista na lei da segurança social desde 2007, embora na prática pouco se tenha avançado. É que de facto os jovens devem ter objetivos mobilizadores, e devem votar em quem lhes garanta que, tal como a minha geração pagou as reformas aos reformados da geração anterior (apesar da eliminação abusiva pelos sucessivos senhores ministros das finanças das caixas de previdência integradas na segurança social mas sem controle de resultados), os jovens da geração que vierem a seguir, com ou sem fundos de pensões (desde que bem geridos e bem regulados sem portas giratórias), paguem também as suas reformas.
Finalmente, uma referencia a Stefan Zweig. Mais uma vez, para ter concluído que eu estava a ser tão egoísta que achava que só os velhos podem combater as ideias discriminatórias; não, não era isso o que queria dizer, era exatamente o contrário. Stefan Zweig foi perseguido pelo partido demagógico nazi de Hitler. Exilou-se no Brasil, e desgostoso com o rumo da 2ª guerra mundial, deixou escrito na sua nota de suicídio que estava velho e sem forças, e apelava aos jovens, que acreditava podiam fazê-lo, para combater contra a barbárie das desigualdades. Era isso o que eu queria dizer, que as desigualdades se devem combater, mas de preferência, nos tempos que correm, em vez de cada um entrincheirado nas suas ideologias, em colaboração, em convergência, com a sociedade civil a funcionar. Não posso concordar com conflitos intergeracionais. Se o que escrevi o incomodou por pensar que sugeria isso, peço desculpa por me ter expresso imperfeitamente. Apenas reagi á acusação dos burocratas do BCE e da EU que já demonstraram desprezo pelos artigos 22 (segurança social) e 23 (direito ao trabalho) da declaração universal dos direitos humanos, aliás consagrados na carta dos direitos da EU e na constituição da Republica Portuguesa  .  

É o emprego que devia ter prioridade sobre todas as coisas, e até existem fundos comunitários para investimentos que precisam de empregos, mas há regras para isso que o governo português tem dificuldade em cumprir e por isso os investimentos tardam. É mais fácil culpar os velhos e iludir os jovens com a ameaça da “peste grisalha”, em vez de nos unirmos em torno do destino mobilizador que poderia ser precisamente a sustentabilidade da segurança social e a garantia dos direitos.
Com os melhores cumprimentos

terça-feira, 2 de julho de 2019

Transporte de gás natural liquefeito por comboio


A recente discussão sobre a travessia de Évora pela ligação a Badajoz e a notícia de uma ordem executiva de Trump para o desenvolvimento de vagões tanque para transporte de gás natural liquefeito (LNG) e o subsequente chumbo pelo Congresso,
https://www.railway-technology.com/features/trump-lng-exports/
https://revistacargo.pt/camara-dos-deputados-trava-vontade-de-trump-gnl-nao-pode-ser-transportado-por-via-ferrea/

chama a atenção para o transporte de materiais perigosos. É que continua a aceitar-se o transporte de combustíveis fósseis, petróleo ou gás natural, em camióes tanque, ao lado do transito automóvel.
É verdade que o meio correto de transporte de combustíveis é o pipeline, que no caso do aeroporto de Lisboa evitaria a deslocação maciça de mais de 100 camiões tanque diários para o aeroporto e o armazenamento perto de habitações.

Para além da necessidade de planeamento de redes de pipeline, deveria também pensar-se em corrigir traçados de ferrovia de modo a afastarem-se de zonas habitacionais. Claro que isso exigiria separar troços para passageiros dos troços para mercadorias (coisa que teria evitado vários acidentes, o último dos quais na Dinamarva, em janeiro de 2019), o que comprometeria a rentabilidade do traçado. É uma questão de opção, de prioridades. E de compreensão dos motivos por que se utilizam vias férreas, por ser uma questão da Física, o atrito da roda de borracha com o asfalto é superior ao da roda de ferro com ferro, o que permite menor consumo específico de energia por passageiro. E como a energia é o bem necessário que nos alimenta as reações bioquímicas que nos fazem o coração bater, acho que deviamos dar-lhe prioridade.

https://24.sapo.pt/atualidade/artigos/estados-unidos-olha-para-portugal-como-uma-porta-de-entrada-de-gas-americano-na-europa-e-africa
https://www.transportesenegocios.pt/renfe-testa-o-primeiro-comboio-do-mundo-a-gnl/