sábado, 24 de outubro de 2015

Prisioneiros políticos em Angola, ou em qualquer lugar

De Rafael Marques, autor angolano de Diamantes de sangue, a propósito dos prisioneiros políticos: "nenhum presidente, nenhum juiz, nenhum general poderá impedir a minha liberdade de pensamento"
... nem a de qualquer cidadão ou cidadã...

3 comentários:

  1. Uma coisa é pensar.... outra é .... agir..!! Quem decide ... entrar em ação...deve medir as dificuldades... e os riscos inerentes... ao combate em que se mete..! Não é depois... fazer de "coitadinho".!1

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De acordo, uma ação deve prever os riscos e a possibilidade de retirada. Mas às vezes não dá. Entretanto, o apoio à libertação dos presos políticos não significa sempre concordancia com o seu pensamento e a sua ação. Significa sim a discordancia de haver presos políticos, quer seja em Angola, Cuba, Venezuela, China, Irão, Arábia Saudita, Israel, USA... e naturalmente Portugal.

      Eliminar
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar