segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Vivam os Oscares

Vivam os Oscares.
Este blogue aplaude entusiasmado, embora o som das suas palmas pouco alcance.
Este blogue dedicou vários posts a um dos filmes premiados agora pela academia de Hollywood (categoria documentário): Inside job (a verdade da crise - por que será que os portugueses são especialistas em traduções dos títulos tão más?)




De modo que aplaude o realizador Charles Ferguson quando, perante a frívola e estouvada plateia, afirma com todas as letras: "Mais de dois anos depois da crise provocada pelos especuladores financeiros (e defensores da desregulação nos governos e nas universidades) nenhum dos responsáveis foi preso (ao contrário, alguns dos responsáveis estão no governo de Obama), e isso não é bom".

Aplausos.

Por cá, bem, nós por cá todos bem; mas podiamos reparar, guardadas as devidas distancias, que os senhores professores de economia e os senhores gestores bancários que querem governar as nossas opiniões continuam a insistir que o caminho é privatizar e desregular (quando se reduzem as depesas públicas ao mínimo dos mínimos é o que se quer dizer).
Mais valia que vissem bem o filme e que analisassem os factos numa economia mais pequena, a da Islandia. E percebessem as relações de causa e efeito entre as privatizações dos bancos, a desregulação e a bancarrota da Islandia.
E que percebessem as medidas da primeira ministra Sigurdardottir para a lenta recuperação que a Islandia está a conseguir.

Senhores professores economistas, vão ao cinema, vão ao cinema, olhem que não há mais metafísica no mundo senão nos filmes  (paráfrase da Tabacaria de Alvaro de Campos, de que cito:
"...Cem mil cérebros se concebem em sonho gênios como eu,
E a história não marcará, quem sabe?, nem um,
Nem haverá senão estrume de tantas conquistas futuras..".)

Enquanto não forem ao cinema não vale a pena argumentar convosco.
Deixem de ofender a inteligência das pessoas que têm o seu trabalho e não são economistas.

Sem comentários:

Publicar um comentário