sábado, 1 de outubro de 2011

Novamente o museu dos coches

Este blogue pronunciou-se, com a habitual inconsequencia, sobre o que considera um erro estratégico a transferencia do museu dos coches para o novo edifico em acabamento:
http://fcsseratostenes.blogspot.com/search?q=coches

Ficou portanto surpreendido por o senhor ministro adjunto Miguel Relvas ter posto a hipótese de utilizar o novo edificio para outro fim.
Escandalizada ficou a senhora ex-ministra da cultura, Gabriela Canavilhas, que não gosta de reconhecer erros.
Os senhores ministros e ministras mais dinamicos do atual governo gostam por seu lado de fazer o papel do denunciador de erros e deficiencias e alvitrador in continenti de soluções, estudadas ou não.
Trata-se de papeis de que não gosto e que me parecem fazer parte de uma peça teatral de mau gosto em assuntos como a desvalorização do voto proporcional, como o plano estratégico de transportes e a descoberta que uma linha de 250 km/h de velocidade máxima custaria 4 vezes menos do que uma linha para 350 km/h de velocidade máxima.
Mas neste caso do edificio para o novo museu dos coches renasce a esperança, tímida, de que se dê ouvidos aos técnicos da especialidade (museus, estamos falando de museus) que têm ideias muito claras e ponderadas sobre o assunto.
Permito-me por isso reproduzir o endereço do boletim do ICOM (Conselho internacional dos museus) em que o seu diretor descreve de forma muito correta a problemática deste tema:



Permito-me ainda sublinhar que o estudo integrado do tratamento a dar aos museus deverá considerar a expansão dos museus de Arte Antiga e de Arqueologia e a acessibilidade pelos transportes coletivos urbanos ferrovários (basta ver os engarrafamentos aos domingos junto do CCB e dos Jerónimos - será de esperar que tenha exito uma candidatura aos fundos comunitários QREN de uma ligação fácil aproveitando troços da linha de elétrico da Av.24 de Julho complementada com troços em viaduto pré-fabricado, entre o museu de Arte Antiga e o nucleo dos museus de Belem e Jerónimos),  sendo admissivel que o aumento de visitantes e das receitas turisticas consequentes justifique o investimento.
Considero ainda que a opinião publica deverá ser convenientemente esclarecida por que não está prevista a utilização de terrenos públicos a norte do atual museu dos coches como possivel campo de expansão. 

Sem comentários:

Publicar um comentário